Arquivo | abril 2021

Doações de alimentos – Aldeia Kassawá, município de Nhamundá – AM, Povo Indígena Hexkaryana

O Centro Nowa Cumig continua com sua missão em aliviar as dificuldades dos povos indígenas. Dessa vez foi com os Hexkaryana da Aldeia Kassawá, município de Nhamundá – AM.⠀Quer ajudar também?! ⠀

Entre em contato com o nosso WhatsApp Oficial (21) 96735-2132 e saiba como pode contribuir.

Roda de Cura com Limpeza das Relações – 07 de Maio 2021

Athamis recebeu essa técnica de limpeza de relações do mundo espiritual e a vem desenvolvendo por 17 anos. O primeiro questionamento foi sobre o livre arbítrio: se vamos limpar a relação com alguém não estamos de alguma forma interferindo em seu campo energético ou pensamento? A resposta é: não! É simples entendermos que quando limpamos um aspecto de nossa personalidade, por exemplo, a timidez, é pessoal, certo? Mas tanto os aspectos quanto as pessoas com as quais nos relacionamos vivem em nossa mente. Elas adquirem em nós a imagem que construímos. A limpeza se dá com a pessoa que existe em nossa mente ou no nosso sentimento, a lembrança dela e do que ela nos causou.

“Esse é um exercício de libertação: não posso afirmar que a pessoa mudará em relação a você, mas posso afirmar que você mudará em relação a ela. Somos todos ligados. O meu contato com muitas histórias de Limpeza de Relações mostrou que, em muitos casos, transformando o sentimento para com alguém, esse alguém também muda em relação a você. Recebi muitos relatos interessantes de entendimentos mútuos”, diz Athamis.

A Limpeza de Relações serve para todos que buscam o autoconhecimento e a transformação das mazelas que nos impedem de um caminhar mais livre, mais leve. Valor de Troca: 40,00 Horário: 19h às 21:30

No momento, nossas reuniões estão acontecendo virtualmente pela plataforma ZOOM.

Entre em contato conosco pelo Whatsapp (21) 96735-2132.

O que você precisa:

Uma venda para os olhos

Não ser interrompido durante a reunião.

Cantos e Toques de Tambores Xamânicos e maracás com Athamis Bárbara – 11, 13, 18 e 20 de Maio 2021

Cantos e Toques de Tambores Xamânicos e maracás com Athamis Bárbara

Normalmente se aprende os cantos sagrados em torno das fogueiras e durante as cerimônias. São necessários anos e anos de repetição. Uma hora o canto nos escolhe. No meu caso, algumas das canções eu precisei fazer alguns ritos antes de as receber… E todos que querem aprender tradicionalmente deveriam fazer o mesmo.

Entretanto, no Brasil, eu percebi que algumas pessoas ouviam as canções e rapidamente já as estavam usando e ensinando a cantar. Foi quando eu decidi passar a fonética dos cantos sagrados e criar um curso onde eu explicasse seus significados e treinasse a cantar esses cantos… Entretanto, eu deixo que o próprio espírito do canto escolha a quem esse canto irá. Isso vai além de querer ensinar. Isso é bem tradicional.

Junto aos cantos que invocam as energias das quatro direções e outras energias como de força, de comunidade, de força do feminino sagrado, canções da água e de certos clãs… eu também ensino sobre os toques de tambores. Para isso utilizo o trabalho de Melinda Maxfield e toques tradicionais.

Então, esse curso é um balizador de energias racionais e sutis. Além dos cantos, vamos aprender a honrar seu tambor xamânico e a escutá-lo, a sentir seu coração e utilizar os toques para mudar as energias internas e cósmicas. Dessa forma me sinto respeitando o que aprendi tradicionalmente e evitando que cantos tradicionais sejam passados de forma equivocada.

Se sentir que chegou seu momento, inscreva-se aqui: https://buff.ly/3u9Fvn7

Dessa vez será totalmente online.

Datas: 11 e 13, 18 e 20 de maio.

Horário: de 14h às 16h30

Valor de troca: 650,00

Obs: você vai precisar de um tambor e um maracá.

A questão das terras indígenas da Amazônia

Se você já teve contato com o Centro Nowa Cumig de Tradições Nativas – RJ, ficará interessado em conhecer melhor a questão das terra indígenas da Amazônia. Conhecer é respeitar e saber opinar.

Vamos divulgar entre seus amigos?

Vamos honrar nossos povos originários?

Créditos do vídeo: Agência Pública

Link publicação original: https://buff.ly/32ml8r0

Live: A mulher indígena – 19 de Abril 2021

Venha participar desta Live com a Cláudia Lobo, mulher Medicina Xamânica e Taptixi Guajajara.

Será uma conversa sobre a realidade da mulher indígena. Compartilhe com quem você acha que irá gostar.

Contamos com sua presença.

#live #diadospovosindígenas #mulherindigena #xamanismo #xamanismofeminino #sagradofeminino

Jornada Xamânica – 04 de Maio 2021

Jornada Xamânica:

Uma terça por mês nós oferecemos encontros para o público em geral com interesse em aprender a fazer jornadas xamânicas no Centro Nowa Cumig. Objetivo:

A viagem xamânica com o uso do tambor e/ou maracá é realizada com o intuito de perguntamos aos nossos aliados, que podem ser animais ou mestres interiores ascensionados, sobre questões pessoais ou coletivas. Estes aliados ou mestres nos ajudam com uma compreensão mais elevada sobre a questão a ser pesquisada trazendo novos insights e outras perspectivas.

O condutor do trabalho ensina a jornar, por 15 ou 30 minutos. Após a jornada, é realizada a partilha entre os presentes, e assim aprendemos mais. Uns têm uma visão com diversos símbolos e insights, outros, o sentimento ou sensação corporal. Outros ainda, a clarividência. Quanto mais jornamos, mais aptos nos tornamos a entender as respostas. Valor de contribuição: R$ 30,00

Horário: 19 às 21:30h

No momento, nossas reuniões estão acontecendo virtualmente pela plataforma ZOOM.

Entre em contato conosco pelo Whatsapp (21) 96735-2132.

Local Rua Tobias do Amaral , 99 – Cosme Velho – RJ Telefone de Contato: 21- 992478261 (Athamis via whatsapp)

O que faço com minhas DORES?

Photo by Michael Held on Unsplash

Estou sofrendo, e isso dói. Experimento olhar para a dor, mas não consigo. Ela é grande demais. Escolho não olhar e sigo minha vida, mas essa decisão gera consequências. Por vezes me corto, preciso fugir da dor de alguma maneira: bebida, drogas, excesso de trabalho ou internet. Então alguém me diz: “se a dor apareceu, é porque ela quer ser curada. Ela quer te ensinar algo.” Tomo coragem e busco ajuda terapêutica. Ao olhar para minha dor, encontro um grande vazio. Dou um passo atrás e amplio minha visão. O que está por trás desse vazio? Tenho medo que meu pai morra? Saudades de um irmão gêmeo que não nasceu? Atitudes compulsivas e até impulsos assassinos?

Dou um passo atrás e amplio ainda mais meu olhar. O que está por trás de tudo isso? Essa dor não é só minha. Trago DORES de meus antepassados. Repito comportamentos destrutivos através de LEALDADES INCONSCIENTES dentro da família. Como evitar a repetição desses padrões negativos? Preciso olhar para as dores do ancestral a quem estou conectado, mas necessito reconhecer sua grandeza. Isso costuma ser difícil. O bisavô alcoólatra, o avô abusador, o pai desempregado, o irmão gêmeo que não nasceu, todos cumpriram sua missão. Se estou vivo, é graças a cada um deles.

O que faço com minhas DORES? Existem alternativas. Posso repetir o padrão e me tornar alcoólatra, assassino ou um desocupado. Tudo isso faço por um AMOR CEGO. Posso fazer diferente, a partir de um AMOR QUE VÊ, e assim homenagear os que vieram antes de mim.

Hellinger afirmava que os mortos permanecem presentes, mas de uma maneira diferente. Se isso é verdade, como meus antepassados se sentem diante da minha escolha? Eles se alegram quando, apesar de seus destinos difíceis, são reconhecidos como parte da família. Ficam felizes se o padrão negativo não se repete. Talvez com isso eles possam seguir sua viagem. Talvez aguardem ansiosos pela liberação.

Mas a mudança de padrão não é nada fácil. É mais confortável permanecer como vítima. Não preciso fazer nada e ainda consigo a solidariedade de muitos. No caminho mais difícil, preciso tomar ações. Me recuso a ser vítima e paro de acusar quem quer que seja. Decido que a mudança só depende de mim e me responsabilizo por meu próprio futuro. Sigo meu coração, mas a AUTO RESPONSABILIDADE custa caro. Nem sempre terei apoio da família. Muitos optaram por se manterem vítimas. Ser diferente gera culpa e consciência pesada. Ainda sim, banco a escolha do caminho difícil. As Constelações Familiares me oferecem sugestões. 

1) Olhar para minhas dores e identificar o ancestral a quem estou vinculado pela dor; 2) Agradecer a ele minha HERANÇA (vida, dons, dores e traumas) e prestar-lhe homenagem; 3) Dar a ele um lugar no meu coração e pedir sua benção para fazer diferente; 4) Me despedir e me afastar em direção ao futuro, sentindo pelas costas sua força; 5) Seguir meu caminho devagar, ampliando a cada passo minha visão. 

Talvez num certo momento eu perceba o PARA QUÊ daquela dor. Talvez eu conclua que o SENTIDO DA MINHA EXISTÊNCIA seja justamente desfazer dores e emaranhamentos que recebi como herança. TALVEZ…

Rinaldo Almeida